UFRJ vai buscar cotistas que abandonaram a faculdade, diz novo reitor

UFRJ vai buscar cotistas que abandonaram a faculdade, diz novo reitor

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) vai buscar de volta estudantes que abandonaram os estudos por causa de dificuldades financeiras durante a pandemia de covid-19, afirmou o novo reitor da instituição, Roberto Medronho, que assumiu oficialmente o cargo nesta sexta-feira (4) e elegeu a assistência aos estudantes como prioridade da gestão. 

A cerimônia de transmissão de cargo foi na Cidade Universitária, na Ilha do Fundão, zona norte da cidade. Medronho, que recebeu o cargo do reitor em exercício, Carlos Frederico Rocha, terá mandato até julho de 2027. Participaram do evento acadêmicos, incluindo reitores de outras universidades, alunos, funcionários técnico-administrativos, políticos, autoridades e diplomatas de outros países. 

Medronho disse que 12.754 alunos abandonaram a UFRJ entre o início da pandemia, em 2020, até hoje, dos quais 5 mil eram oriundos de programas de ações afirmativas (cotas sociais).  “É inaceitável ver o aluno que foi aprovado para uma das maiores e melhores universidades deste país ter que abandoná-la por questões socioeconômicas. Não podemos permitir isso”, disse o novo reitor, que pretende fazer parcerias com empresas privadas para conseguir mais bolsas de estudo para os alunos.  

Para ele, manter o aluno de ação afirmativa na universidade é uma forma de combater a desigualdade da sociedade brasileira. “Um aluno que entra para a universidade por ações afirmativas muda a vida dele, muda a vida da família dele e muda a vida da sociedade, da comunidade dele.”

Iniciativas

Entre as ações de assistência aos alunos, o novo reitor inclui investimentos em alimentação, com a abertura de restaurantes universitários, os chamados bandejões, e aumento no número de refeições. Outra iniciativa é ampliar a oferta de residência estudantil. Medronho disse que negocia com o governo federal o aproveitamento de imóveis não usados. “Vários prédios do governo federal estão fechados. Nós estamos querendo pegar essas edificações, fazer as reformas e transformar em residências estudantis”, adiantou, acrescentando que há conversas também com a prefeitura do Rio de Janeiro. 

Para convencer empresas privadas a financiar estudantes bolsistas, a ideia é investir em programas de estágio. “Os nossos alunos são absolutamente fantásticos. Então, não será uma ação de caridade. Eu quero que esses alunos estagiem nessas empresas. Tenham a bolsa para fazer o estágio, e eu tenho certeza absoluta de que a maioria deles será absorvida pelas empresas. É um jogo de ganha-ganha”, acredita.

Biografia

Professor titular da Faculdade de Medicina da UFRJ, Roberto Medronho tem 64 anos e é doutor e mestre em saúde pública pela Fundação Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz). Graduado em medicina pela UFRJ, fez residência em medicina preventiva e social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e em pediatria pelo Hospital Federal da Lagoa. Durante a pandemia, foi coordenador do Grupo de Trabalho Multidisciplinar para Enfrentamento da Covid-19 (GT-Coronavírus) da UFRJ. Medronho é membro da Academia Nacional de Medicina.

A vice-reitora, que também participou da transmissão de cargo, é Cássia Turci, professora titular do Instituto de Química. Ela é doutora em física e química pela UFRJ, com período sanduíche pela Universidade McMaster (Canadá), onde fez pós-doutorado. Mestre em química pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), tem três especializações, uma das quais na área de radiação pelo Centro Internacional de Física Teórica da Itália.

Autonomia universitária

A chapa Medronho e Turci foi eleita pela comunidade acadêmica em 28 de abril, com 31,7% dos votos. Seguindo o protocolo, a UFRJ elaborou uma lista tríplice, que foi encaminhada ao governo federal. Em 28 de junho, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva nomeou aos dois para a reitoria da universidade.

O ex-ministro da Saúde Arthur Chioro, que preside a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, vinculada ao Ministério da Educação, representou o ministro Camilo Santana na cerimônia. “Este ato [empossar um reitor eleito pela lista tríplice] se repetirá em todos os processos democráticos de escolha das nossas universidades públicas, não será uma exceção. Em democracia, o respeito à autonomia universitária tem que ser para valer”, afirmou Chioro.

A representante do Diretório Central dos Estudantes, Giovanna Almeida, aproveitou a transmissão de cargo para pedir mais abertura ao protagonismo dos alunos. “Que estudantes possam ter mais voz nos conselhos, nos órgãos deliberativos e que a gente abra um canal de diálogo responsável e democrático com a nova gestão. A gente deseja uma ótima gestão, ao lado dos estudantes e aberta para as nossas reivindicações”, disse. 

Maior universidade federal

Primeira instituição oficial de ensino superior do país, a UFRJ está em atividade desde 1792, em razão da existência da Escola Politécnica. Organizada como universidade em 1920, a UFRJ tem atualmente presença registrada nas 15 melhores posições dos mais diversos rankings acadêmicos na América Latina, com o melhor curso de engenharia naval e oceânica das Américas. 

A instituição oferece 175 cursos de graduação, 315 de especialização, 224 programas de pós-graduação (mestrado, doutorado e pós-doutorado) e mais de 1,5 mil projetos de extensão. Maior universidade federal do Brasil, a UFRJ tem cerca de 65 mil estudantes, sendo 15 mil de pós-graduação. Todos os anos, formam-se 5 mil alunos de graduação. A universidade tem 4,1 mil professores, e nove em cada dez têm doutorado. O campus principal, a Cidade Universitária, é praticamente do tamanho de um bairro. Por ali, circulam  diariamente cerca de 100 mil pessoas. 

Segundo Roberto Medronho, é dever da UFRJ fazer com que “cada centavo investido na universidade retome em escala exponencial para a sociedade”. Ele citou o Complexo da Maré como um dos locais para expandir projetos de expansão. O conjunto de favelas tem cerca de 140 mil moradores e fica próximo à Cidade Universitária.  

“Nossa missão é formar cidadão éticos, compromissados e competentes. Não apenas um mero profissional para o mercado de trabalho. É produzir e disseminar conhecimento que mude a vida das pessoas. Aproveitar o conhecimento que já temos, indo diretamente à sociedade e levando esse conhecimento por meio do projeto de extensão”, disse o reitor. Ele adiantou que a UFRJ negocia com universidades africanas para a instituição brasileira ser um hub (uma espécie de ponto de troca de conhecimento) na América Latina.

, Bruno de Freitas Moura – Repórter da Agência Brasil

Fonte: Agencia Brasil